Mais de 3 milhões de brasileiros estão desempregados há dois anos, revela Ipea

Mais de 3 milhões de brasileiros estão desempregados há dois anos, revela Ipea

O tempo médio em que os trabalhadores e trabalhadoras ficam desempregados no Brasil é de 24 meses e as perspectivas futuras não são nada boas. Enquanto o país corre o risco de entrar novamente em recessão, com a projeção de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em menos de 1% este ano, ao invés de projetos para gerar emprego e renda, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) se preocupa com tomada de três pinos. De acordo com estudo sobre o Mercado de Trabalho no primeiro trimestre de 2019, divulgado nesta terça-feira (18), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o tempo médio de recolocação no mercado de trabalho é de dois anos para 3,3 milhões de trabalhadores e trabalhadoras – um aumento de 17,4% para 24,8% entre o primeiro trimestre de 2015 e o mesmo período de 2019. Em quatro anos, cresceu 42,4% o total de brasileiros que ficam 24 meses sem emprego. Segundo o Ipea, que utilizou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), a crise econômica mantém a taxa de desemprego elevada e também contribui para permanência no desemprego. No trimestre encerrado em abril, a taxa de desemprego atingiu 12,5% dos brasileiros, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD-Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso significa que 13,2 milhões de brasileiros estão desempregados. Mulheres E as mulheres são as que mais têm dificuldade de conseguir um novo emprego (28,8%). Na sequência vêm os adultos com mais de 40 anos (27,%) e os trabalhadores com ensino médio completo (27,4%). Norte e Nordeste As Regiões Norte, com 28,6%, e a Nordeste, com 27,6%, registram os maiores percentuais de desempregados há pelo menos dois anos no país. Impacto na renda familiar Além do aumento no tempo de permanência no desemprego, o estudo do Ipea mostra que os efeitos da crise econômica sobre o mercado de trabalho também vêm impactando a renda domiciliar. Apesar de algum ganho real, os dados da Pnad mostram que, no 1º trimestre de 2019, 22,7% dos domicílios brasileiros não possuíam nenhum tipo de renda proveniente do trabalho, e que os domicílios de renda mais baixa foram os que apresentaram menores ganhos salarias. A análise mostra, ainda, que a renda dos domicílios mais ricos é 30 vezes maior que a dos domicílios mais pobres. Desalento Sem conseguir emprego há dois anos, trabalhadores e trabalhadoras de 18 a 24 anos estão entre os grupos mais atingidos e, portanto, desalentados, desiludidos - grupo que, segundo o IBGE para de procurar emprego, depois de muito tentar e não conseguir uma recolocação. Com baixo crescimento da ocupação e queda no rendimento real, os jovens são 27,3% do total de desempregados. Pelo quinto trimestre consecutivo, os mais jovens e com ensino fundamental incompleto tiveram a maior queda de rendimento (-2,4%). Reforma de Temer gerou precariedade Como vem acontecendo desde a aprovação da reforma Trabalhista do ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), o mercado vem criando mais emprego informal, sem direitos. A taxa de crescimento anual do emprego, considerando-se apenas trabalhadores com carteira assinada, permanece negativa e com variação quase nula, segundo o Ipea que, além da PNAD se baseou em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A análise sobre os efeitos da reforma Trabalhista revela que de novembro de 2017 a abril de 2019, foram abertas 507.140 novas vagas de trabalho, das quais 58.630 de contratos de trabalho intermitente, quando a empresa paga por hora trabalhada, chama o trabalhador nos dias e horários em que precisa e, portanto, pode pagar por mês até menos de um salário minimo, dependendo de quantas horas o empregado foi requisitado a prestar serviços; e 19.765 de trabalho parcial, em sua maioria no setor de comércio e serviços. Apesar da geração de emprego, os dados mostram que cerca de 7 milhões faziam parte da população de trabalhadores que se ocupam menos de quarenta horas semanais. A chamada subocupação por insuficiência de horas trabalhadas combinada com a desocupação atingiu em abril deste ano 19,1%, índice acima dos três anos anteriores. Das vagas de emprego intermitentes e parciais, a maioria foi ocupada por jovens de até 29 anos e trabalhadores com ensino médio completo.